Estudo revela como as marcas devem interagir com a geração Millennials

Foto - PR Newswire

A impaciência e a conectividade com diferentes canais de tecnologia são marcas do comportamento da nova geração conhecida como “Millennials” (pessoas entre 25 e 34 anos). A constatação é da pesquisa Connected Life 2016, estudo da TNS Brasil realizado com mais de 60.000 consumidores conectados ao redor de 50 países.

Os Millennials querem cada vez mais simplificar o processo e acelerar as respostas – 10 minutos é o tempo que os Millennials julgam suficiente para ter uma resposta quando interagem com alguma marca, por exemplo. Respeito com o consumidor também é um valor importante para essa geração. Portanto, todo cuidado é pouco: pequenos deslizes das marcas neste sentido podem ser bombardeados no meio digital, causando prejuízos à imagem das marcas.

É no mundo digital onde as diferenças de comportamento entre as gerações são extremas. Considerando que a população brasileira está envelhecendo, os protagonistas passam a ser as gerações “Millennials” e “Z”.

Quanto mais jovem, maior é a conexão via celular: os Millennials se concentram mais na conexão de aparelhos móveis que as gerações passadas. O mesmo acontece com a geração “Z” (16-24), que se destaca em comparação com os Millennials (6,4 horas/dia contra 8,2 hora/dia geração Z).

De modo geral, o tempo de conexão dos brasileiros é um pouco acima da média da América Latina (LATAM), sobretudo conexão via PC/Laptop (2,9hs contra 2,5hs/dia).

T1

Nesse sentido, saem na frente aquelas marcas que estão interagindo no meio digital, especificamente via celular.

Onde existem oportunidades de engajamento?

De acordo com o estudo, entre os pesquisados há claramente um compartilhamento de atenção entre TV e rede social em horário nobre. Quanto mais jovens, maior é o compartilhamento de TV e redes sociais, e essa premissa se estende bem como a conversão em compras.

T2

Millennials ficam acima da média quando utilizam o e-commerce no mesmo horário em que assistem TV

Em relação ao uso das redes sociais, WhatsApp e Facebook acessados pelo celular lideram o uso diário em todas as faixas etárias. Como esperado, a geração Millennials e geração Z interagem com maior número de plataformas: WhatsApp, Facebook, Facebook Messenger, YouTube, Instagram e Google+.

Assim, as marcas devem priorizar essas plataformas sociais/ de mensagens instantâneas (MI) para se aproximarem dos consumidores dessa geração.

t3

O paradoxo: conforme cresce a conectividade, os usuários passam mais tempo online, e alcançá-los em meio à quantidade de informação parece ser mais difícil do que nunca.

A recomendação é que as marcas encontrem a combinação certa de canais e desenvolvam formatos diferenciados de comunicação para cada meio.

Connected Life

Connected Life é o estudo líder da TNS sobre as atitudes e comportamentos de mais de 60.500 usuários de internet em mais de 50 países e explora como a tecnologia está transformando a vida dos consumidores ao redor do mundo. Oferece um insight essencial sobre o impacto do crescimento no ecossistema digital e no panorama de mídia.  O campo foi realizado em todos os mercados entre maio e agosto de 2015. O tamanho da amostra no Brasil foi 1.070.

fonte

Estudo revela como as marcas devem interagir com a geração Millennials

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *