Cientista desenvolve acidentalmente óculos que corrige daltonismo

Foi durante uma partida de frisbee com um amigo, em Santa Cruz (EUA), que o engenheiro de materiais Don McPherson descobriu, sem querer, que uma de suas criações era capaz de corrigir a percepção de cores de daltônicos, como conta reportagem publicada no site “Smithsonian.com”.

McPherson é especialista em pesquisa de lentes e, no momento da partida, usava um óculos que havia desenvolvido para médicos utilizarem em cirurgias a laser. O objeto permitia aos cirurgiões diferenciar claramente o sangue dos tecidos durante seus procedimentos, porque as lentes eram capazes de absorver grande quantidade de luz. Por causa do efeito das lentes na visão e devido ao design atraente que os óculos possuíam, tanto cirurgiões quanto o próprio McPherson começaram a usar os óculos fora do ambiente de trabalho, substituindo os óculos de sol. “As lentes faziam com que todas as cores parecessem incrivelmente saturadas. Faziam o mundo parecer muito brilhante”, diz.

Durante o tal jogo, em uma tarde do ano de 2005, o amigo de McPherson, que tem daltonismo, pediu os óculos emprestados, por mera curiosidade. Ao colocá-los no rosto, espantou-se com o que viu. “Consigo enxergar os cones!”, disse, referindo-se aos cones de trânsito laranjas que estavam  na rua. Pela primeira vez, ele conseguia distinguir as cores do cone das cores da grama e do concreto ao redor.
O oftalmologista do Cema Hospital Especializado de São Paulo, Leonardo Marculino, afirmou que, apesar de não conhecer a tecnologia, ela deve ajudar quem tem graus leves da doença. “Nos casos mais leves, o paciente ainda consegue identificar que tal cor é tal cor, pela repetição, mesmo vendo uma cor diferente. Por isso, se certos filtros forem usados, provavelmente ele conseguirá ver a cor correta”, explicou. Marculino acredita que em níveis mais graves, a técnica não surtiria efeito. “Nesses casos, os pacientes enxergam cores diferentes a todo momento. Uma hora ele acha que é vermelho, outra hora verde, outra marrom. Não há um padrão, então não há como corrigir”, diz.

Diante do deslumbramento do amigo com os óculos no rosto, a conclusão de McPherson foi rápida. As mesmas lentes usadas para absorver as cores do raio laser poderiam ser usadas para outro propósito: corrigir a luz para que daltônicos pudessem enxergar cores. Eureca!

Após a descoberta, ele começou a pesquisar o daltonismo, algo sobre o qual sabia muito pouco. O passo seguinte foi conseguir uma autorização de institutos nacionais de saúde dos EUA para a realização de testes clínicos. Hoje, McPherson e dois colegas, Tony Dykes e Andrew Schmeder, possuem uma empresa especializada na fabricação desses óculos, a EnChroma Labs, que agora produz lentes de policarbonato entre US$ 325 a US$ 450 (R$ 936 a R$ 1.746). Os criadores afirmam que estão constantemente experimentando novas interações.

Como funciona a ‘mágica’

McPherson explica que todas as pessoas têm três tipos de fotoreceptores nos olhos, também conhecidos como cones, que são sensíveis ao azul, verde e vermelho. O azul opera de forma relativamente independente, enquanto os cones vermelhos e verdes podem se sobrepor, o que afetaria a percepção de certas cores.

Por exemplo, se 10 fótons (partículas de radiação eletromagnética, o que inclui a luz) sensibilizam o cone vermelho e 100, o cone verde, o objeto visto parece mais verde. Já no caso de um número igual de fótons alcançar os cones vermelhos e verdes, a cor percebida seria amarelo. Um problema surge quando a percepção dos cones de vermelho-verde se sobrepõe em demasia, situação que é verificada em 99% dos casos de daltonismo. Assim, num cenário de cores próximas, em vez de amarelo, o indivíduo percebe pouca ou nenhuma cor.

A tecnologia dos óculos desenvolvidos por McPherson funciona através da colocação de uma banda de absorção nas lentes que captura a luz, deixando passar apenas o suficiente para sensibilizar os fotoreceptores e corrigir defeitos na visão. Alguns usuários em quem os óculos funcionam descrevem a mudança representada pelo uso das lentes. “É muito estranho ver as coisas de forma diferente, pela primeira vez em 45 anos. Estou ansioso para ver o meu primeiro arco-íris”, diz Marc Drucker, um dos clientes da marca. Porém, o recurso foi capaz de resolver o problema na visão de cerca de 80% dos clientes.

fonte

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2015/03/05/cientista-desenvolve-acidentalmente-oculos-que-corrige-daltonismo.htm