Apple vence apelação em caso de violação de patente da Universidade de Wisconsin

A Apple persuadiu um tribunal de apelação federal nesta sexta-feira a reduzir em 234 milhões de dólares uma indenização em favor da Universidade of Wisconsin por infração de uma patente em tecnologia de processamento de computadores.

A corte disse que nenhum jurado razoável pode entender que os processadores da Apple infringiram a patente, com base nas evidências apresentadas no julgamento de 2015.

A Apple e da Wisconsin Alumni Research Foundation (Warf) não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A Warf processou a Apple em 2014, alegando que processadores dos iPhones 5s, 6 e 6 Plus infringiram uma patente que descreve um meio de melhorar o desempenho do processador ao prever instruções que os usos dos dispositivos fornecerão.

Cerca de 213 milhões de dólares da indenização foram baseados em um documento que mostrou de que a Apple era indiretamente responsável por produtos da marca fabricados pela Samsung.

Em julho de 2017, um juiz ordenou que a fabricante de iPhones pagasse outros 272 milhões de dólares em indenização, totalizando 506 milhões de dólares, com base na infração continuada até a expiração da patente da Warf em 2016.

fonte

https://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/apple-vence-apelacao-em-caso-de-violacao-de-patente-da-universidade-de-wisconsin,232c98ba7ba32998388a8cd0415ed7835m3ptasn.html

Apple patenteia método que exibe ads baseados no saldo de sua conta bancária

A Apple sempre bateu na tecla de que não possui o menor interesse em se alimentar dos dados de seus usuários para fazer negócios. Mas como diz o sábio uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa; quando há uma possibilidade real de fazer algum dinheiro com métodos que muitos não acham lá muito éticos, é certo que qualquer empresa o fará. Isso porque a missão de qualquer companhia é dar lucro, e não bancar a madre Tereza.

Por isso a notícia pode soar alarmista para alguns: hoje Cupertino registrou uma nova patente que descreve um novo sistema de e-commerce capaz de exibir anúncios aos usuários de iGadgets baseado naquilo que ele realmente pode bancar. Como? Acessando seu saldo bancário.

A patente descreve o método da seguinte forma: o sistema acessaria os dados dos cartões de crédito e débito do usuário — muito provavelmente já salvos no iPhone iPad para o uso do Apple Pay — e verificaria o saldo. A partir daí ele enviaria sugestões de itens que o mesmo teria condições de pagar sem que se endividasse; as mercadorias exibidas não poderiam ultrapassar 90% do valor do saldo, sendo os 10% restantes cobertos pelos cartões.

A patente descreve outras particularidades, como um serviço de pagamento e cobrança próprio para quem adquirir os produtos através dos ads e novos métodos de entrega física e digital. O sistema poderia inclusive influenciar o comportamento do usuário mesmo fora dos anúncios: ao entrar em uma loja online por exemplo, o algoritmo marcaria de alguma forma os itens que o usuário poderia bancar e ignorar os restantes, ou arranjá-los na tela de forma a destacar os produtos acessíveis.

O que pega nessa história toda é a posição de Tim Cook sobre a coleta e comercialização de dados do usuário. Mais de uma vez o executivo declarou que a Apple não armazena dados, nem aprova quando outras companhias vendem os dados de seus consumidores a terceiros (cofcofGoogleFacebookcofcof). Por outro lado, a Apple é uma grande empresa e como tal registrar patentes variadas é algo bem comum.

É possível que tal sistema nunca seja implementado dada a política da Apple, mas o tal algoritmo por si só é inovador por um simples motivo: hoje ads exibem o que as empresas querem vender baseados nas preferências do usuário; aqui ele exibiria anúncios somente daquilo que o mesmo pode pagar, evitando assim endividamentos desnecessários. Até porque a Apple precisa que seus fãs troquem de aparelhos todo ano.

Ainda assim, caso Cupertino mude de ideia e deseje tornar a patente realidade ela não terá muito trabalho: em 2014 foi anunciado que a Apple fechou o segundo trimestre daquele ano com quase um bilhão de cartões cadastrados em seu banco de dados, mais do que a Amazon.

fonte

http://meiobit.com/322550/apple-patente-metodo-exibicao-ads-baseado-saldo-conta-bancaria/