A Origem das Marcas – Casas Pernambucanas

Há mais de 100 anos a CASAS PERNAMBUCANAS está ao lado da família brasileira. Sempre com o objetivo de atender as suas necessidades e desejos oferecendo uma ampla variedade de produtos e serviços. Moda, eletrodomésticos, cama, mesa e banho, utilidades, eletroeletrônicos, tapetes, cortinas e muito mais. Tudo feito com qualidade e muito bom gosto.

A história
A história começou em 1855 quando Herman Theodor Lundgren, filho de um pequeno industrial da cidade de Norrköping, desembarcou no Brasil, vindo da Suécia. Estabeleceu-se na cidade do Recife, estado de Pernambuco, como corretor e agente de navios. Como falava alemão e inglês, servia de intérprete para comandantes, tripulantes e passageiros, e isso fez seu negócio prosperar. Empreendedor obstinado se dedicava à importação e exportação de produtos como cera de carnaúba, sal e peles de animais. Nos anos seguintes, ele fundou em Pernambuco uma fábrica de pólvora e outra de fertilizantes. No início do século XX, em 1904, ele comprou a Companhia de Tecidos Paulista, situada em um lugar chamado Paulista, então pertencente ao distrito de Olinda, e ingressou na indústria têxtil.

Somente no ano de 1908, foi aberta a primeira CASAS PERNAMBUCANAS para dar vazão à produção da CPT (Companhia Paulista de Tecidos). A loja foi pioneira ao trabalhar com preços fixos em uma época que o costume era barganhar. Em 1910 foi inaugurada a loja na Praça da Sé em São Paulo com o nome de CASAS PERNAMBUCANAS, uma homenagem ao estado onde o grupo havia nascido. Impondo-se pela qualidade, preço e excelência no atendimento aos clientes, a CASAS PERNAMBUCANAS, de São Paulo, em pouco tempo dominou o mercado, tornando-se o embrião daquela que veio a ser uma das maiores redes de comércio varejista. Em 1915 a rede já tinha estabelecimentos em Porto Alegre, Florianópolis e Teresina.


Inovadora em vários aspectos, a rede tinha, na década de 20, um Manual de Procedimentos, no qual orientava gerentes das lojas a fazer “reclames em circos e cinemas”. Porteiras de fazendas, morros, pedras, postes de iluminação e lonas de circo transformaram-se, assim, nos primeiros outdoors do país, fixando a imagem da marca na mente da consumidora de tecidos e linhas de cama, mesa e banho. Além da comunicação forte, a CASAS PERNAMBUCANAS usou como estratégia abrir lojas seguindo a rede ferroviária construída na década de 30, durante a Era do Café. Uma das primeiras a contratar mulheres como vendedoras, a rede também inovou ao tirar os tecidos das prateleiras e colocá-los nas mãos das consumidoras, além de criar marcas próprias como os tecidos Marca Olho e as camisas Lunfor.


Na década de 40, novas lojas foram inauguradas nos bairros da capital paulista. Para atrair os clientes, as lojas colocam em suas fachadas o boneco Grillo, um policial em madeira que vira símbolo da PERNAMBUCANAS e indica a entrada do estabelecimento. Os anos foram passando, o Brasil passou por várias transformações e a empresa continuou a imprimir sua marca por onde passou, com ações administrativas e comerciais inovadoras, e a inauguração de dezenas de novas lojas, tornando a marca CASAS PERNAMBUCANAS ao mesmo tempo popular e fashion para a camada mais baixa da população. A empresa chegou a ter 800 lojas espalhadas pelo país e 40.000 funcionários. Na década de 70 a PERNAMBUCANAS esteve entre as primeiras empresas do segmento de varejo a usar carnês para crediário (batizado de Crediário Tentação) e cartões de financiamento próprio. Nesta década a rede começou a comercializar roupas para homens, mulheres e crianças, além de uma pequena linha de eletrodomésticos e eletrônicos.

O grupo, no entanto, não resistiu à disputa entre os herdeiros nas décadas de 70 a 90. Separadas, as operações de Pernambuco e do Ceará desapareceram. Os negócios no Rio de Janeiro foram à falência. Só a Arthur Lundgren Tecidos, com operações em São Paulo, prosperou e hoje compete com os grandes concorrentes do segmento de varejo no país. A partir deste período, a rede varejista começou a diversificar sua linha de produtos, que além de tecidos e roupas, iniciou as vendas de eletrodomésticos (televisões, microondas, fogão, geladeira, entre outros itens), produtos de informática e similares, além de utensílios para casa e serviços financeiros (cartão de crédito, seguros, garantias estendidas, empréstimos, consórcios e planos odontológicos). Em 2006, a rede ingressou no ramo de comércio eletrônico, além de diversificar o leque de produtos com celulares e uma linha de calçados própria, mas, sem nenhum alarde, pouco depois, em 2009, encerrou as operações de vendas on-line.

Propagandas que fizeram história
No início da década de 60, mais precisamente em 1962, um comercial de televisão que tinha como protagonista um desenho animado do frio (em forma de “fantasminha”) anunciando sua chegada, se tornou um clássico da publicidade brasileira. Exibida até hoje como símbolo da criatividade nacional, a frase “Quem bate? É o frio! Não adianta bater, eu não deixo você entrar…” tornou-se um dos maiores ícones da propaganda. Clique no ícone abaixo para assistir ao histórico comercial.

Um ícone durante décadas
Na década de 20 surgiu um símbolo que se tornaria, durante décadas, um ícone da marca PERNAMBUCANAS: o “olho grande”. Esse logotipo, usado para atestar a qualidade dos tecidos da empresa, foi capaz de identificá-la nos quatro extremos do país, inclusive no exterior, por causa das lojas abertas nas cidades fronteiriças, onde o povo de língua espanhola ia comprar os tecidos “con la marca del ojo”.

Os slogans
Tudo para a sua casa.
Da nossa casa para sua casa.

Dados corporativos
● Origem: Brasil
● Fundação: 25 de setembro de 1908
● Fundador: Herman Theodor Lundgren
● Sede mundial: São Paulo, Brasil
● Proprietário da marca: Arthur Lundgren Tecidos S.A.
● Capital aberto: Não
● Presidente: Anita Louise Harley
● Faturamento: R$ 3.8 bilhões (estimado)
● Lucro: R$ 100 milhões (estimado)
● Lojas: 283
● Presença global: Não (presente somente no Brasil)
● Funcionários: 15.000
● Segmento: Varejo
● Principais produtos: Roupas, calçados, acessórios e eletrodomésticos
● Slogan: Tudo para sua casa.
● Website: www.pernambucanas.com.br
A marca no Brasil
Atualmente a rede possui mais de 280 lojas distribuídas em São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, emprega 15 mil pessoas e fatura anualmente quase R$ 4 bilhões. Nos últimos anos, o cartão PERNAMBUCANAS ultrapassou os 14 milhões de usuários.

Você sabia?
● Apesar de se chamar “Pernambucanas” remetendo ao estado de Pernambuco, a rede não possui lojas na região.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Veja, Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing), e Wikipedia (informações devidamente checadas).

fonte

http://www.mundodasmarcas.blogspot.com.br/2006/07/casas-pernambucanas-tudo-para-sua-casa.html