Brasileira cria sensor capaz de identificar câncer antes dos primeiros sintomas

ncontrar doenças como o câncer em um organismo apenas por meio de um exame de sangue é como buscar uma agulha no palheiro, já que a concentração de moléculas que permitem a detecção da doença é baixíssima. Contudo, esse cenário pode mudar em até 10 anos, graças à invenção de uma cientista brasileira.

Priscila Monteiro Kosaka, de 35 anos, passou os últimos seis anos debruçada sobre pesquisas no Instituto de Microelectrónica de Madrid, na Espanha, e conseguiu criar um sensor revolucionário capaz de identificar doenças como o câncer, a hepatite e até mesmo o alzheimer. O nanosensor possui uma sensibilidade cerca de 10 milhões de vezes maior que qualquer outro método já existente e exige do paciente apenas um simples exame de sangue – um grande avanço frente a biópsias e exames invasivos que, até então, eram o único método disponível para identificar doenças como estas.

Funcionando como uma espécie de trampolim, o sensor traz anticorpos em sua superfície e fica mais pesado ao captar partículas relacionadas à doença. O dispositivo causa ainda uma mudança na coloração das partículas, facilitando a identificação. A taxa de erro, segundo a cientista, é de 2 em 10 mil casos. A descoberta ainda está em fase final de testes, mas o objetivo é que o sensor seja usado rotineiramente em 10 anos.

priscila-kosaka

priscila-kosaka2

Fotos © Priscila Kosaka/Arquivo Pessoal

priscila-kosaka3

Foto © IMM

priscila-kosaka4

fonte

http://www.hypeness.com.br/2015/04/brasileira-cria-sensor-incrivel-que-identifica-cancer-antes-de-qualquer-sintoma/

Homem cria sapatos ajustáveis que crescem até 5 tamanhos e prometem ajudar milhões de crianças carentes

Todo mundo sabe que ser pai é uma bênção, mas que é preciso ter algum dinheiro de parte, já que implica custos elevados com roupas, sapatos, brinquedos e tudo o que uma criança precisa. E, no quesito roupa e sapatos, o problema é ainda maior nos primeiros anos de vida, onde tudo precisa ser trocado com frequência, já que as crianças estão em fase de crescimento e desenvolvimento rápido. Por isso, a organização sem fins lucrativos Because International criou “The Shoe That Grows” (“O Sapato que Cresce”, em português), um calçado que pode ser ajustado para aumentar o tamanho, com o objetivo de ajudar pessoas carentes que não possuem condições de comprar novos sapatos a cada centímetro a mais nos pés.

A ideia surgiu quando o fundador e diretor executivo Kenton Lee estava morando e trabalhando em Nairobi, no Quênia, em 2007. Um dia, enquanto caminhava para a igreja, notou que havia uma menina com sapatos pequenos para seus pés. “Não seria ótimo se houvesse um sapato que fosse possível ajustar e aumentar?”, pensou ele.

Assim começou o trabalho de criação desse sapato inovador, que se ajusta e se expande. O calçado foi desenvolvido pela empresa Proof of Concept Noroeste e vem em dois tamanhos: pequeno ou grande. Por meio de fechos, os sapatos aumentam até 5 tamanhos acima e duram pelo menos 5 anos. Assim, crianças carentes não ficarão mais descalças ou com os pés apertados dentro dos calçados.

sapato 02

De acordo com a organização, há mais de 300 milhões de crianças que não possuem calçados. Algumas recebem doações de sapatos e roupas, mas em pouco tempo, crescem e perdem os utensílios. As crianças que ficam descalças podem ser infeccionadas por parasitas e contrair lesões na pele.

fonte

http://www.hypeness.com.br/2015/04/homem-cria-sapatos-que-crescem-ate-5-tamanhos/

Ex-engenheiro da NASA planeja plantar 1 bilhão de árvores por ano usando drones

lantar 1 bilhão de árvores ao longo de um ano, usando drones. Esta é a ambiciosa meta da startup americana BioCarbon Engeneering, liderada por Lauren Fletcher, um ex-engenheiro da Nasa que agora estuda maneiras de utilizar a tecnologia para o bem da humanidade. O plano se baseia nas estimativas da companhia de que 26 bilhões de árvores sejam derrubadas pela expansão urbana, enquanto somente 15 bilhões são replantadas por ano.

“Vamos combater o desflorestamento em escala industrial com o reflorestamento em escala industrial”, afirma Fletcher em um dos vídeos de divulgação. O método de plantio é diferente do tradicional, que consiste em jogar sementes secas no chão. Segundo a companhia, isso faz com que o índice de sobrevivência seja baixo.

Foto por: Divulgação

Os drones serão utilizados primeiro para mapear o terreno do plantio

O processo começa com a análise do solo, feita pelos drones. Imagens em alta definição são captadas e mapas em 3D são gerados para avaliação da empresa. Ao encontrar um local adequado, as máquinas voam a uma altura de dois a três metros do chão e, então, liberam cápsulas com sementes pré-germinadas cobertas com um hidrogel nutritivo.

Os drones também acompanharão o processo de crescimento das árvores e poderão repor as sementes, se necessário. A empresa não diz que o método é melhor do que a plantação feitas por pessoas, mas certamente é mais veloz e 15% mais barato.

Foto por: Divulgação

As naves também poderão monitorar o crescimento das mudas

Dois operadores humanos controlarão diversos drones para que eles plantem 36 mil árvores por dia. “O único jeito de atacarmos problemas antigos é utilizando técnicas que não estavam disponíveis antes”, diz Fletcher.

Segundo um estudo, divulgado em março deste ano pela revista Science Advances, 70% das florestas do mundo estão ameaçadas pelo desmatamento.

Por enquanto, a BioCarbon tem um protótipo que foi apresentado na Drones for Good, uma mostra de iniciativas que usam os drones para o bem da humanidade, realizada nos Emirados Árabes. A previsão é que a empresa tenha versões totalmente funcionais dos aparelhos até o final de setembro deste ano.

fonte

http://info.abril.com.br/noticias/tecnologia-pessoal/2015/04/ex-engenheiro-da-nasa-planeja-plantar-1-bilhao-de-arvores-por-ano-usando-drones.shtml

Com novo investimento, maior aeronave do mundo está próxima de ser concluída

hybrid

Inflada com hélio, a Airlander 10 pode flutuar por dias sem gastar combustível

O Airlander 10, considerada a maior aeronave do mundo, recebeu nesta semana um novo investimento, que aproxima o projeto de sua conclusão.

Os fabricantes do balão, a Hybrid Air Vehicles, ganhou uma bolsa de 2,5 milhões de euros de um fundo da União Europeia que apoia iniciativas de transporte verde.

A quantia se soma aos 3,4 milhões de libras recebidos do governo do Reino Unido no começo do ano. Nos próximos meses, a empresa espera receber outros 2 milhões de libras por meio da plataforma de financiamento coletivo Crowdcube.

A Airlander 10 tem 92 metros de comprimento, quase o tamanho de um campo de futebol oficial. Uma espécie de híbrido de dirigível, avião e helicóptero, os primeiros voos testes da aeronave devem ser feitos até o final do ano.

A principal vantagem da Airlander 10 em relação a um avião convencional é o fato de ela ser inflada com hélio. Com isso, pode ficar flutuando durante dias, sem gastar muito combustível. O problema é a velocidade. O máximo atingido pelo Airlander 10 é 160 km/h.

Quando ela se move, utiliza apenas um terço do combustível de aeronaves comuns e sua capacidade de planador permite que pouse em qualquer lugar, até mesmo na água.

A Airlander 10 também possui uma das mais baixas emissões de carbono de qualquer aeronave do planeta e é capaz de carregar 50 toneladas de carga por até 2 500 quilômetros.

A aeronave foi desenvolvida originalmente para missões de vigilância das forças armadas dos Estados Unidos. Mas, quando cortes no orçamento ameaçaram a conclusão do projeto, a Hybrid Air Vehicles comprou o protótipo de volta.

Agora, a Airlander 10 tem objetivos meramente comerciais, incluindo entrega de cargas, distribuição de mantimentos em lugares remotos, propaganda, vigilância, comunicações e transporte de luxo de passageiros.

fonte

http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/2015/04/com-novo-investimento-maior-aeronave-do-mundo-esta-proxima-de-ser-concluida.shtml

Audi cria diesel utilizando apenas água e ar

A montadora alemã Audi afirma ter criado o “combustível do futuro”, feito a partir de água, dióxido de carbono e fontes renováveis de energia. Ao contrário do diesel convencional, o chamado “e-diesel” não contém enxofre ou outros poluentes, além de ter uma eficiência energética de cerca de 70%. O combustível foi criado pela startup alemã Sunfire, parceira da Audi na criação de tecnologias limpas para os carros da marca, em uma fábrica em Dresden.

A criação do combustível, chamado de “azul cru” pela Audi, exige o aquecimento de uma quantidade de água até 800 ºC, gerando um processo de eletrólise (conversão de energia elétrica em energia química) que separa o hidrogênio do oxigênio.

O hidrogênio que resulta do processo de eletrólise reage com o CO2 em reatores criados espeficicamente para síntese de produtos químicos, em processos que mais uma vez acontecem em alta pressão e temperatura. O produto da reação é um líquido composto de hidrocarbonetos de cadeias longas, conhecido como “azul cru”.

Foto por: Divulgação/Audi

O combustível sintético possui eficiência energética de 70%, quase o dobro do diesel convencional

Até mesmo o processo para gerar o combustível é ecologicamente correto. A eletricidade usada para aquecer a água é gerada por turbinas eólicas e o CO2 é capturado diretamente do ambiente, retirando o gás causador do efeito estufa da atmosfera.

O combustível sintético criado, livre de enxofre e hidrocarbonetos aromáticos (como benzeno, por exemplo), pode ser misturado com o diesel convencional ou até mesmo ser usado como combustível, de forma independente. A Sunfire estima que o preço de mercado do diesel sintético custe entre 1 e 1,5 euro por litro (4,7 reais), um pouco mais caro do que o diesel comum na Europa, mas com eficiência muito maior do que a gasolina (20%) e o diesel (45%).

fonte

http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/2015/04/audi-cria-diesel-ecologico-utilizando-apenas-agua-e-co2.shtml

Invenção transforma água do mar em potável com energia solar

Uma parceria entre membros do MIT e de uma empresa indiana chamada Jain Irrigation Systems criou um método para transformar água salgada em potável. Por conta da invenção, eles foram os vencedores de um desafio da USAID, um órgão do governo americano que lida com populações que passam necessidades.

O objetivo do desafio era criar um sistema simples e barato para fornecer água limpa para comunidades rurais em países em desenvolvimento. Pela vitória, eles receberam um prêmio de 125 mil dólares.

O sistema usa uma técnica chamada eletrodiálise. Em uma explicação simples, o sal é dissolvido na água e se transforma em partículas com cargas elétricas positivas e negativas. Para remover essas partículas, o sistema usa membranas elétricas que atraem as cargas como se fossem imãs.

“Funciona como um circuito elétrico. Os íons são puxados para fora da água em direção aos eletrodos”, disse Natasha Wright, doutoranda no MIT e uma das criadoras do sistema, ao jornal Boston Globe. Ela ainda ressalta que apenas 5% da água é perdida nesse processo.

A dessalinização é feita usando baterias, similares às de carros e caminhões. Elas são carregadas durante o dia utilizando painéis que captam energia solar, o que dá um caráter ecológico à invenção.

Uma unidade do sistema é capaz de abastecer água para irrigar uma pequena fazenda ou então para atender às necessidades de uma população de cinco mil pessoas.

Apesar do foco em países em desenvolvimento, a invenção pode ser importante também para grandes áreas metropolitanas.

Problemas graves com escassez de água assombram o estado de São Paulo desde o ano passado. O estado da Califórnia, nos Estados Unidos, também vem enfrentando uma crise hídrica histórica.

fonte

http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/2015/04/invencao-transforma-agua-do-mar-em-potavel-com-energia-solar.shtml

A origem do nome de 15 marcas de redes sociais e serviços online

Os nomes de plataformas e aplicativos são rapidamente incorporados pelos seus usuários. Rapidamente, transformam-se em marcas e até em sinônimos de suas funcionalidades. Mas nem sempre se presta atenção ao significado deles nem se conhece a origem dos nomes. Selecionamos, então, 15 marcas que fazem parte do cotidiano da comunicação online.

Nome O que é Origem do nome
Bing Motor de busca O nome foi desenvolvido pela Microsoft de forma técnica, com base em pesquisas, como focus group. O nome Bing foi escolhido por ser curto, fácil de memorizar e lembrar a palavra “Bingo!”.
Blog Site de atualização As primeiras versões se chamavam “web log” (registro diário na rede). Os criadores brincaram com o nome, modificando-o para “we blog” (algo como ‘nós blogamos‘), de onde surgiu o termo.
Facebook Rede de relacionamento Os livros de fotos de turmas de escola, faculdade e cursos em geral são os ‘facebooks’. O nome inspirou a rerde social.
Flickr Armazenamento de imagens e vídeos “Flicker” significa tremular, algo comum em fotos amadoras.
Os fundadores, porém, não conseguiram comprar o domínio flicker.com. Então, optaram o extrair a letra e.
Google Motor de busca O número 1 seguido de cem números 0 é, em matemática, chamado de “googol”. Isso inspirou os criadores do Google, que queriam fazer alusão
a uma grande quantidade de resultados.
ICQ Sistema de mensagem instantânea A pronúncia das três letras em inglês soa parecido com “I seek you”(“Eu procuro você”)
Instagram Rede de compartilhamento de imagens O nome é uma mescla de “Instant camera” (câmera instantânea) com “telegram” (telegrama).
MSN Sistema de mensagem instantânea O nome MSN era a abreviação do portal Microsoft Networks, que emprestou o nome ao comunicacor.
Orkut Rede de relacionamento O criador da primeira rede social a se massificar no Brasil foi o
engenheiro turco Orkut Büyükkökten, que batizou o projeto com seu primeiro nome.
Pinterest Rede de compartilhamento de imagens “Pin” é, em inglês, aquele alfinete usado para fixar papéis em
quadros de avisos. E “interest” significa interesse. Pinterest é, portanto, a junção desses dois nomes, que tem total relação com o funcionamento do site.
Twitter Microblog Os criadores primeiro pensaram em “twitch” (estremeção, em inglês). Mas não tinha apelo comercial. Vasculhando o dicionário, encontraram “Twitter” (algo similar a “tagarelar”).
WhatsApp Sistema de mensagem instantânea via mobile “What’s up?” em inglês é uma expressão informal, algo como “o que está havendo?” ou “o que está rolando?”. E “App”, que soa similar a “up”, é a abreviação de “application” (aplicativo).
Webinar Evento online O nome nada mais é do que a glutinação das palavras “web” e “seminar”. Seria o equivalente a seminário na rede. Alguns autores usam a lógica em português, adotando o nome webinário.
Yahoo! Serviços online diversos No livro “As Viagens de Gulliver”, yahoos são seres selvagens. Foi em alusão a esses personagens que o nome foi adotado.
YouTube Serviços de compartilhamento de vídeo Antes da era digital, os enormes televisores de tubo foram a tecnologia predominante. Quando lançado, o site fez um jogo com as palavras “you” (você) e “tube” (tubo).

fonte

http://www.tracto.com.br/a-origem-do-nome-de-15-marcas-de-redes-sociais-e-servicos-online/

Dez produtos fracassados da Apple que você talvez nem conheça

Veja a lista dez produtos fracassados da Apple que você talvez nem conheça

Apple QuickTake: lançada em 1994 pela Apple, foi uma das primeiras câmeras digitais voltada ao consumidor e chegou a ter três variantes. Vendida por US$ 600, permaneceu no mercado durante três anos até ser descontinuada em 1997. A QuickTake não teve bom nível de vendas, já que outras companhias como a Kodak, Fujifilm, Canon e Nikon entraram no mercado.

Apple Bandai Pippin: produzido pela Apple nos anos 1990, o console de videogame foi um grande fracasso devido à pouca quantidade de jogos e ao número de consoles que eram vendidas com defeitos de fábrica. A Apple nunca pretendeu lançar o Pippin por conta própria, em vez disso, licenciou a tecnologia para terceiros, no caso, a Bandai, que desejava entrar no mercado de consoles de videogames, e escolheu o Pippin como sua plataforma. Foram fabricados aproximadamente 100.000 Pippins e vendeu-se um total 42.000 unidades. O produto foi descontinuado em 1997.

Macintosh Portable: esse foi o primeiro microcomputador portátil da Apple lançado em 1989 tendo como CPU o processador Motorola 68000 com 16 MHz, custava cerca de U$ 7.300. Seu projeto foi descontinuado dois anos depois, em 1991. O portátil pesava 7,2 kg e tinha 10 centímetros de espessura. O principal contribuinte para o peso e o volume do portátil eram as baterias de chumbo-ácido.

Apple Newton: também chamado de Newton, ou Newton Message Pad (Personal digital assistants, ou assistente pessoal digital) é um modelo de PDA com tela sensível ao toque, reconhecimento inteligente de escrita, memória flash e processador RISC, lançado pela Apple em1993. Não alcançando sucesso, foi descontinuado em 1998.

Macintosh TV: muito antes de lançar a Apple TV, a Apple já tinha criado um Mac com TV e apenas dez mil exemplares fabricados, em 1993. Foi o único Mac desktop todo em cor preta a ser vendido até hoje e vinha com uma placa de captura de TV NTSC, além de controle remoto e leitor de CD. Apenas 10 mil unidades fora fabricadas e o produto saiu de linha em 1994.

iPod Hi-Fi: versão para músicas de alta definição é um sistema de alto-falante desenvolvido e fabricado pela Apple lançado em 28 de fevereiro de 2006. O iPod Hi-Fi é um acessório para qualquer iPod. O iPod Hi-Fi era vendido por US$ 349 até a suspensão da sua produção em 5 de setembro de 2007. Ele era considerado aquém de seus concorrentes, além de caro.

“Hockey Puck” Mouse: o mouse que a Apple trouxe ao mercado em 1998 era um projeto curioso e inovador, mas a sua forma pouca ergonômica e seu cabo curto fizeram o produto se rapidamente interrompido. O produto durou cerca de dois anos no mercado.

Fone de ouvido Bluetooth: a estreia do iPhone em 2007 não foi totalmente bem-sucedida porque a Apple queria também tirar proveito do lançamento e entrar no mercado de acessórios. No entanto, o fone de ouvido Bluetooth não teve o sucesso esperado e foi retirado do mercado em 2009 .

iPod Socks: as meias coloridas para iPods podem até ser divertidas, mas não fizeram o sucesso esperado pela Apple, empresa acostumada a fazer incursões no mundo da moda.  Além de caras, as capas não eram nada funcional, ainda assim, elas ficaram no mercado de 2004 até 2012.

Apple III: produzido pela Apple de maio de 1980 até 24 de abril de 1984, o Apple III foi criado para o mercado corporativo, e começou a ser projetado no fins de 1978. Seu grande pecado foi o uso de um barramento de expansão proprietário, o que limitou as possibilidades de expansão aos acessórios oferecidos pela própria Apple, uma característica que acabou sendo a grande responsável pela supremacia do PC. O computador também teve um problema da falta de ventilador ou saídas de ar e como o corpo de alumínio não era um disssipador bom suficiente, o Apple III superaquecia facilmente.

Google registra patente de sistema anti-spoilers

A autodeclarada e ambiciosa missão do Google é “organizar as informações do mundo e torná-las mundialmente acessíveis e úteis”. Mas a empresa pode estar perto de conseguir a solução para um dos principais problemas que aflingem a humanidade: spoilers.

A empresa registrou a patente de um sistema que bloqueia posts ou informações que possam incluir detalhes sobre o enredo de programas de televisão, filmes e até livros, pelo menos até você estar pronto para vê-los.

O sistema descrito irá exigir que o usuário compartilhe ainda mais informações pessoais com o Google, como seu consumo de livros, filmes e séries. Mas é por uma boa causa. Dessa forma, o Google pode proteger o usuário de enxergar em seu navegador algo sobre um episódio de uma série que ele ainda não assistiu no Netflix, por exemplo.

Se um de seus amigos publicar alguma uma informação dessa série, por exemplo, o Google automaticamente borraria esse post e um aviso apareceria na tela, alertando sobre o spoiler.

O conceito da navegação livre de spoilers parece mágico, mas para funcionar, exigiria do Google um esforço para entrar em acordo com todos os tipos de redes sociais e sites de streaming, vídeo e livros mais usados.

Enquanto o sistema não chega, tome cuidado com o que você escreve. Com uma nova temporada de Game of Thrones chegando, é melhor ler duas vezes o que está compartilhando no seu Facebook.

fonte

http://info.abril.com.br/noticias/internet/2015/04/google-registra-patente-de-sistema-anti-spoilers.shtml

Volvo LifePaint: Spray reflexivo para tornar ciclismo mais seguro

bicicleta volvo lifepaint

Já quis ter um Volvo? E andar de bicicleta de forma segura? Bem… eu adoraria ter um Volvo! Já quanto à bicicleta… quando era criança não me preocupava em andar com todos os equipamentos de segurança adequados e também não andava à noite disputando espaço com carros, felizmente, ao contrário de mim, a Volvo se preocupou com a segurança dos ciclistas e lançou uma nova campanha:

"A melhor maneira de sobreviver a um acidente é não se envolver em um." (tradução livre)

Até esse momento da minha vida os Volvos estiveram completamente inacessíveis, mas felizmente agora existe um Volvo que posso adquirir e que proporciona segurança assim como os carros da montadora sueca (criadora dos cinto de segurança de três pontos, por sinal).

É o Volvo LifePaint! Um spray reflexivo produzido pela fabricante de veículos em parceria com a startup sueca Albedo 100 e a empresa de design Cinza London.

Andar de bicicleta mesmo durante o dia não é exatamente sinônimo de segurança, à noite então o risco se torna maior, adicione ainda fatores como motoristas cansados e ciclistas sem quaiquer acessórios reflexivos (ou qualquer equipamento de segurança) adequados e você tem uma idéia do perigo.

Volvo LifePaint é um spray reflexivo, transparente, completamente invisível durante o dia, mas que se torna completamente visível à noite, ou melhor, ele brilha ao ser atingido pelos faróis de um carro. Volvo Life Paint Spray

O Spray foi feito inicialmente para tornar as pedaladas mais seguras, mas pode ser aplicado em outros materiais como roupas, sapatos, carrinhos, mochilas e até mesmo coleiras de cachorro sem danificar o material onde for pulverizado. LifePaint dura cerca de 10 dias após a aplicação e também é lavável.

bicicleta volvo lifepaint gif

trio volvo lifepaint

Estatísticas

“Todos os anos mais de 19 mil ciclistas são feridos nas estradas do Reino Unido […] Na Volvo, estamos empenhados em tornar as estradas um lugar mais seguro, reduzindo o número de acidentes” (Nick Connor, Diretor da Volvo Car UK, tradução livre)

every year

Já no Brasil, segundo o site Vias Seguras, cerca de 2.000 ciclistas morrem por ano no trânsito. Apenas no Distrito Federal no ano de 2010 foram 863 bicicletas envolvidas em acidentes de trânsito. Quando se trata de pedestres o número de mortes é de 12.000 por ano em todo o Brasil (dados referentes ao ano de 2012).

Na capital paulista pesquisa feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego aponta a diminuição de mortes envolvendo ciclistas no trânsito, foram 35 em 2013 contra 52 em 2012. A mesma pesquisa aponta que foram 514 mortes de pedestres no ano de 2013.

grafico cet

Nos Estados Unidos, segundo a Albedo100, o número de pedestres e ciclistas que sofrem lesões por ano é de 120 mil e o número de mortes de pedestres e ciclistas anualmente é de 5.260.

Onde comprar

Por enquanto LifePaint ainda não está à venda no Brasil. O produto está sendo testado em 6 lojas de ciclismo em Londres e Kent, onde 2.000 latas do spray estão sendo doadas. Se o projeto se popularizar provavelmente será comercializado no resto da Europa e internacionalmente.

O preço estimado do LifePaint não foi informado, mas alguns sprays da Albedo100 podem ser comprados em sua loja online.

fonte