E se o nome das marcas fossem escritas conforme o seu pronunciamento?

Marca citrus schweppes

Cara, larga de ser chato, libera a senha desse Uai Fai ae, só pra mim terminar de baixar o filme da Bruna Surfistinha.
Marca Wi-Fi
Partiu pra naiti tomar uma Bãduaizer com as vadias tudo.
Grei taime is comingue
marca budweiser budweiser
Partiu comprar lá no mercado so Sr. Uóumart.. :B
Marca Walmart
-Pneu mar.. vem que aqui sai negócio. Não pera…
Marca Michelin
Gata, pega esse Ráus aqui sabor melancia pra curar esse seu bafo de 51..
Marca Halls
-Partiu Sãbuei comer um pão de 1 metro de altura por 20 de largura com mortadela, ovo e linguiça…
E um suco de laranja sem açucar por favor, porque estou de regime.
Marca Subway
Me vê uma Ráiniken ae de latinha porque hoje eu to laite..
Marca Heineken
-Cara, liga o Blutuf ae pra mim te enviar essa foto aqui da Josefa só de calcinha com os peitos la no joelho e ainda batendo um balãozinho,
Marca bluetooth
-Riúndai lança novo Velóster com 7 portas e 10 cavalos… 11 contando com o motorista.
Marca Hyundai
-Compre já o seu no Épod, já vem de graça um CD do latino junto e misturado, para você matar a saudade dos grandes sucessos..
Marca Apple
Iarrú! faça sua pergunta idiota aqui, receba uma resposta mais idiota ainda, mas não esqueça de dar 10 pontos em..
Marca Yahoo!
fonte

Gestão de Marca também é o Registro!

Enquanto o pessoal do marketing, RP e Design fazem a sua parte na questão da Gestão da Marca, o pessoal de propriedade intelectual (quem registra marcas, patentes, direito autoral, etc.) tem que cuidar da proteção da marca, não só o registro no INPI, mas também questões de domínios na internet, registros em outros países, etc.

Esse tipo de planejamento estratégico é chamado por nós, nerds do registro de marcas, de “Blindagem de Marca”.

No processo de “Blindagem” são consideradas as variações da marca, conotações pejorativas, erros de digitação (para prevenir o o cybersquatting – vamos falar disso outro dia, combinado?), países em que se pretende atuar com a marca, enfim, você tem que pensar na marca em 360º.

Para que isso funcione, a comunicação entre as equipes de Marketing, Design, RP, Propriedade Intelectual e a direção da empresa deve ser direta e constante, o que um pensa deve ser compartilhado com todos, assim é possível “gerir” marcas no sentido amplo da expressão. É como faz a Apple e o Google, acho que esses dois exemplos já dizem tudo não é mesmo? Então vamos seguir o exemplo das marcas mais interessantes do mundo.

fonte

http://www.e-marcas.com.br/gestao-de-marca-tambem-registro/

Google não consegue suspender multa por descumprir ordem judicial

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, negou pedido de liminar em reclamação ajuizada pela Google Brasil Internet Ltda., que buscava suspender decisão do Conselho Recursal do Rio de Janeiro que determinou o pagamento de multa por descumprimento de ordens judiciais.

A Google alegou que a decisão seria contrária à jurisprudência do STJ, mas o presidente da Corte entendeu que não foram demonstrados a plausibilidade do direito e o perigo de demora da decisão que justificassem a concessão da liminar.

Alegações

Na reclamação, a Google afirma que foi condenada ao pagamento de multa por descumprimento de ordens judiciais, em razão de não ter removido vídeos que divulgavam auto-hemoterapia, postados no site YouTube.

A ação original foi movida por um médico que foi surpreendido com a instauração de procedimento administrativo ético profissional, acusado de prática de sensacionalismo e exibição de método científico, em virtude dos vídeos postados no YouTube.

A Google argumenta que retirou do site os vídeos apontados pelo médico e que a ação por descumprimento de ordem judicial apontava vídeos com títulos e endereços diferentes dos que foram informados inicialmente.

Defende que tal decisão ofendeu a coisa julgada, já que ampliou, em fase de cumprimento de sentença, o comando da sentença exequenda.

De acordo com a Google, “não há que se falar em descumprimento da sentença ou, menos ainda, em execução da multa diária, sob pena de ofensa à coisa julgada, impondo-se a reforma do acórdão reclamado, o qual se mostra teratológico”.

A empresa sustentou também que o teto do valor fixado para a multa ultrapassou o valor do bem da obrigação principal, decisão que seria desproporcional e divergente do entendimento sedimentado pelo STJ.

Requisitos ausentes

Ao negar o pedido de liminar, o ministro Felix Fischer explicou que a situação não autoriza a concessão da medida, por aparente ausência do direito alegado, “não se vislumbrando sumariamente qualquer situação manifestamente absurda, ilegal ou abusiva”.

“Com efeito, apenas em momento posterior será objeto de aprofundamento por parte do eminente relator a questão relativa à ofensa à coisa julgada e aos artigos 128 e 468 do Código de Processo Civil, conforme argumenta a reclamante”, disse.

A existência do perigo de demora da decisão também foi afastada pelo presidente do STJ. “Não vislumbro a ocorrência de periculum in mora que viabilize a concessão da liminar, até porque não comprovou a reclamante em que consistiria o perigo iminente a que estaria sujeita, somente alegando a possibilidade de prejuízo irreversível, eis que cumprida a decisão estaria comprometido, irremediavelmente, eventual e futuro provimento jurisdicional favorável à reclamante.”

A reclamação, de relatoria da ministra Isabel Gallotti, será apreciada pela Segunda Seção do STJ.

http://www.stj.jus.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=113066

China foi o país que mais registrou patentes em 2012

Genebra – Em uma década, a China passou de ser sinônimo de pirataria para ocupar hoje o posto do maior responsável pelo registro de patentes do mundo.

Dados divulgados na segunda-feira, 9, revelam que os chineses já patenteiam mais inovações, desenhos industriais e marcas que Estados Unidos, Japão e Europa. Os registros da China são quase cem vezes o número de solicitações feitas pelo Brasil em 2012. Os pedidos de patentes feitos por empresas, universidades e por governos medem, para especialistas, o grau de inovação de uma economia.

Os dados são da Organização Mundial de Propriedade Intelectual que indicam que, graças aos emergentes, o aumento no registro de patentes em 2012 foi o maior em 20 anos. No ano passado, 2,3 milhões de patentes foram solicitadas no mundo, um crescimento de 9,2%. “Depois da crise de 2009, os pedidos de patente aumentaram num ritmo ainda mais rápido que antes da crise”, disse Francis Gurry, diretor da entidade.

Os chineses pediram em 2012 o registro de 560 mil patentes pelo mundo. O escritório de patentes em Pequim ainda foi o que recebeu o maior número de solicitações, quase 653 mil, com um aumento de registros de 24% em 2012. Nos EUA, a expansão foi de 7,8%. Na Europa é onde estaria a maior crise. Se o registro de patentes aumenta na Alemanha e Reino Unido, ele sofreu uma contração na França e na Itália, num sinal de que a crise está levando empresas a investir menos em inovação.

Longe do cenário de apenas copiar marcas famosas e produzir bolsas Louis Vuitton praticamente idênticas às originais, chineses pediram o registro no mundo de mais de 1,5 milhão de marcas. O volume é quase três vezes maior que os EUA e cinco vezes o da Alemanha.

No que se refere ao registro de novos desenhos industriais, mais uma vez a China lidera. Em 2012 foram patenteados 650 mil desenhos industriais, contra apenas 76 mil na Alemanha e 45 mil nos EUA.

Uma situação bem diferente vive o Brasil. Em 2012, empresas e pesquisadores do país pediram o registro de 6,6 mil patentes pelo mundo, dez vezes menos que a França, 20 vezes menos que a Alemanha e quase cem vezes menos que a China. O volume de solicitações em um ano equivale ao que chineses pedem em quatro dias.

O desempenho fraco coloca o Brasil na 28ª colocação entre as nações que mais pedem patentes de produtos. O país é superado por países como Dinamarca, Israel, Espanha e até Coreia do Norte.

Domesticamente, o Brasil acumulou 30 mil solicitações de patentes no INPI em 2012, uma alta de 5,1% em relação a 2011. Mas concedeu apenas 2,8 mil registros, o que revela a dificuldade do organismo em processar os pedidos.

Em termos de solicitações, o Brasil aparece como o 10º maior escritório de patentes do mundo. Mas, em número de registros de fato realizados, a classificação do Brasil cai para fora dos 20 primeiros.

O registro de desenhos industriais também caiu no Brasil, com redução de 4% entre 2011 e 2012. Em termos de registros de marcas, o número de iniciativas no Brasil é apenas um décimo do que ocorre na China.

No total, 8,6 milhões de patentes estão em vigor no mundo. Os EUA são os maiores detentores desses registros, com 2,2 milhões de patentes acumuladas. Em segundo lugar vem o Japão, com 1,7 milhão. A China aparece já na terceira posição, com 900 mil patentes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/china-foi-o-pais-que-mais-registrou-patentes-em-2012-2/

Twitter compra 900 patentes da IBM

O Twitter se acertou com a IBM para adquirir 900 de suas patentes e ainda assinou um acordo de licenciamento, o que deve pôr panos quentes em uma briga entre as duas. Os valores não foram divulgados.

 

Em novembro, pouco antes de a rede de microblogs dar início à sua oferta pública de ações, a IBM a acusou de violar três de suas patentes, abrindo o mal-estar entre as duas.

O alto número de patentes mandadas embora não deve chegar a fazer falta à IBM. Uma das maiores detentoras de propriedades intelectuais no mercado, a companhia tem 41 mil registros em seu poder.

fonte

http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/40064/40064

Twitter compra 900 patentes da IBM

Por Redação Olhar Digitalem 31/01/2014 às 15h19
Avaliação:
Avaliar:

  • IBM
  • patente
  • Twitter

Share4

O Twitter se acertou com a IBM para adquirir 900 de suas patentes e ainda assinou um acordo de licenciamento, o que deve pôr panos quentes em uma briga entre as duas. Os valores não foram divulgados.

Em novembro, pouco antes de a rede de microblogs dar início à sua oferta pública de ações, a IBM a acusou de violar três de suas patentes, abrindo o mal-estar entre as duas.

O alto número de patentes mandadas embora não deve chegar a fazer falta à IBM. Uma das maiores detentoras de propriedades intelectuais no mercado, a companhia tem 41 mil registros em seu poder.

A Origem dos Inventos – Ziper

Tudo começou em 1891 com um americano gorducho chamado Witcomb L. Judson. Os trajes elegantes daquela época pediam roupas de baixo com camadas e mais camadas de peças externas –  como camisas, coletes e casacos -, todas presas com cordões, laços ou fileiras de botões.

Às vezes, levava-se quase meia hora para se vestir ou despir. Mesmo os sapatos da moda eram botas bem justas e abotoadas ou amarradas até os joelhos.

Witcomb tinha grande dificuldade de amarrar suas botas. Decidiu inventar um dispositivo para fechá-las mais rapidamente –  e o chamou de “fecho relâmpago”. Tratava-se de um objeto em forma de corrente que consistia de ganchos de metal laminado conectados a argolas de arame. Essas correntes de ganchos em lados opostos eram aproximadas e presas por um “cursor”. Mas, antes que o usuário pudesse realmente fechar suas botas, ele tinha que amarrar primeiro o dispositivo a seus sapatos com cordões comuns.

Depois disso, veio uma nova versão, em que conectivos eram presos às bordas de uma fita de tecido. De um lado ficavam os pinos, ou “ganchos”, enquanto do outro ficavam os colchetes. Em vez de usar o fecho apenas para calçados, o produto passou a ser anunciado também para saias femininas, calças masculinas e outros tipos de roupa. Embora pudesse ser feito de maneira mais rápida e barata por máquinas, o novo modelo não era nada seguro. Saias e calças se abriam inesperadamente (e embaraçosamente) quando o mecanismo não era usado segundo as instruções. Não podia ser dobrado, torcido nem lavado.

Na tentativa de aperfeiçoar o fecho uma vez mais e atrair a lucrativa indústria de roupas, Judson contratou um jovem engenheiro sueco, Gideon Sundback. Sundback fez várias melhorias no processo de fabricação e, depois, concentrou seus esforços na eliminação dos defeitos do fecho, especialmente na teimosia em se abrir. Levou quase quatro anos até criar, em 1914, um fecho realmente prático, que deslizava sem problemas e não se abria, muito semelhante aos zíperes de hoje em dia.

Mas a verdadeira virada só ocorreu em 1923, quando a empresa B. F. Goodrich produziu um tipo de bota de borracha com o novo fecho. Foi um dos executivos da Goodrich que criou o nome “zipper” ao exclamar que, para calçar as botas, bastava “zipper up” ou “zipper down” (“zipá-las para cima” ou “zipá-las para baixo”).

fonte

http://guiadoscuriosos.com.br/categorias/3808/1/ziper.html

Presidência da República autoriza novas nomeações em concurso do INPI

A presidenta Dilma Rousseff, após entendimento com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e a Casa Civil, autorizou a nomeação de 35 candidatos aprovados para o cargo de tecnologista no último concurso do INPI. A informação está no Diário Oficial da União de hoje.

Com a chegada dos novos concursados, o INPI espera reduzir o estoque de processos em exame na área de Marcas, entregando um serviço público de qualidade, que atenda às necessidades da sociedade brasileira.

fonte

http://www.inpi.gov.br/portal/artigo/presidencia_da_republica_autoriza_novas_nomeacoes_em_concurso_do_inpi

 

 

Corinthians é dono da marca mais valiosa do futebol brasileiro, diz estudo

Levantamento da consultoria BDO afirma que Timão vale R$ 1,1 bilhão e se distancia do Flamengo, segundo colocado, com o valor de R$ 855,5 mi

O Corinthians é dono de marca mais valiosa do futebol brasileiro, segundo pesquisa da consultoria BDO. O Flamengo é o segundo, logo acima do São Paulo. De acordo com o levantamento, que considerou os 23 maiores clubes do Brasil, o Timão vale R$ 1,108 bilhão. O Rubro-Negro (R$ 855,4 milhões) vê o Tricolor Paulista (R$ 848,2 mi) se aproximar. Ambos, no entanto, estão bem acima do Palmeiras, quarto colocado com o valor em R$ 496,4 mi.

O estudo leva em conta balanços contábeis das áreas de marketing, exploração de estádio, mídia e sócios. Os dados provam que os clubes valorizaram-se nos últimos cinco anos, apesar do crescimento variar entre os times. Todas as agremiaçõs juntas enriqueceram 69% desde 2008. O Timão foi o que mais cresceu, aumentando em 97%, já que valia R$ 562 milhões há cinco anos.

O Vasco viu o Grêmio superá-lo na lista, enquanto o Atlético-MG passou o Cruzeiro. Confira a lista abaixo.

Na opinião do jornalista André Rizek, nem sempre o valor da marca é sinônimo de boa gestão. Segundo ele, o Botafogo é exemplo de clube que conseguiu formular uma equipe competitiva mesmo sem grandes recursos.

O Botafogo vem trabalhando muito bem com muito pouco, em comparação aos rivais. É um mérito muito grande conseguir se igualar com quem tem muito. Veja a lista:

 

Fonte: Exame

Pesquisa da Marinha sobre agente bioquímico natural é patenteada nos EUA

Brasília, 03/02/2014 – Pesquisa desenvolvida pela Marinha do Brasil sobre tintas marítimas anti-incrustantes teve patente aprovada nos Estados Unidos. O projeto, conduzido pelo Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), consiste no uso de um agente biocida isento de metais nas tinturas utilizadas em estruturas submersas e flutuantes. O estudo foi feito em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Federal Fluminense (UFF).

A pesquisa, iniciada em 2004 no Instituto de Química da UFRJ, alcançou êxito ao sintetizar o agente biocida a partir de matéria-prima natural, nacional e de baixo custo: um subproduto do refino de óleo de soja. O agente poderá ser utilizado em escala industrial em revestimentos e tintas subaquáticas, protegendo contra os efeitos danosos da bioincrustração em cascos de embarcações, boias, plataformas de petróleo e dutos submersos.

Para o comandante William Romão Batista, engenheiro e pesquisador da Marinha, a obtenção da patente concretiza um ciclo de pesquisas em produtos naturais anti-incrustantes desenvolvidos pelo IEAPM. “Este é o grande passo para termos, no futuro, disponível no mercado, tintas para cascos de navios e plataformas de petróleo, com eficaz ação anti-incrustante e isentas de substâncias nocivas ao meio ambiente marinho”, avaliou o comandante.

De acordo com Romão Batista, por ser um produto natural, isento de elementos metálicos e com ação bactericida e algicida (contra algas), o agente biocida poderá também ser utilizado nas áreas médica, agrícola e pecuária.

A pesquisa

A bioincrustação marinha é resultado do processo natural de colonização e crescimento de micro e macro-organismos sobre superfícies submersas, ocasionando problemas logísticos e prejuízos econômicos, como o entupimento de canalizações, podendo comprometer estruturas de plataformas, pilares e tubulações.

O produto desenvolvido pelo IEAPM da Marinha foi testado experimentalmente durante oito meses em placas metálicas submersas pela empresa brasileira International Tintas S.A. A tinta anti-incrustante demostrou alta resistência e durabilidade, com uma vida útil maior que as tintas marítimas comercializadas atualmente – que gira entre seis meses e dois anos

Já tramita no IEAPM o pedido de uma nova patente junto à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, que deverá ser enviado ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Esta nova patente está relacionada à evolução da síntese e da característica físico-química do biocida inicialmente sintetizado. O objetivo dos pesquisadores é fechar parcerias com indústrias interessadas na produção do agente.

fonte

http://defesa.gov.br/index.php/ultimas-noticias/8940-03-02-2014-ciencia-pesquisa-da-marinha-sobre-agente-bioquimico-natural-e-patenteada-nos-eua